, , , ,

Loja Tutatis

Compartilhar

O paraíso dos leitores de mangás e HQs em Porto Alegre!


Bom, essa é uma notícia de suma importância para quem compra mangás: sabe aquele número que tu perdeu por não ter grana ou porque simplesmente não apareceu na banca de jornal e tu está, agora, feito LOUCO (A) atrás e só acha ele a preços ABUSIVOS pela internet? Seus problemas ACABARAM! :D

Quem acompanha o site, já deve ter lido que eu fiquei um BOM tempo sem comprar mangás justamente pela falta de sequência das revistarias ou bancas de jornal, que me forçavam a ir prá internet comprar em lojas virtuais e usar meu pooobre cartão :~ Eis que surgiu meu querido namorado (e sócio, fotógrafo, cosplayer, colorista e papai das minhas ferrets) com uma pergunta que me faria declarar falência (se eu não fosse tão "turca-mão-de-vaca"):

"Mas por que tu não vai na Tutatis?"

Bom, eu nunca tinha ouvido falar na loja... Então, ele decidiu que me levaria até lá...Quase surtei! Sério.

A loja vende mangás, gibis, hqs e até umas revistas tipo Caras ou Minha Novela (é ótimo se tu for com a tua mãe ou tua vó, que dai tu já descola uns mangás e ela sai faceira com a revista de fofocas - acho que não tem mulher que não pegue uma revista daquelas ao menos prá folhear e descobrir as idades dos famosos xD). Tem sempre uns folhetos dos próximos eventos e propagandas de cursos de desenhos. O vendedor (eu chamo de tio da Tutatis, mas o nome dele é Ludjer) é um senhor  muito simpático que sempre faz solicitação às editoras, pedindo aqueles volumes que estão em falta!



Metade da loja, aproximadamente, é destinada aos mangás, que estão dispostos da seguinte maneira: os mais antigos ficam em caixinhas de madeira (organizados pela numeração e série) e os lançamentos ficam nas prateleiras, dispostos um a um.

Existem desde séries mais antigas e que já não são mais publicadas até os mais recentes lançamentos. E uma outra coisa legal é que, por exemplo, Madoka estava disponível lá antes de estar em qualquer outra banca xD

O negócio é, antes de ir lá, levar os números que você precisa anotados (coisa que eu nunca faço, gerando caos e confusão da minha pobre cabeça xP) e ir com tempo, porque eles têm bastante coisa :)

Quem nos atende, na maioria das vezes que vamos lá, é o Ludjer mas o verdadeiro dono se chama Edie. Ele nos cedeu uma pequena entrevista para sabermos um pouco mais sobre a loja:

Taís/Tonikaku: A Tutatis sempre vendeu mangás? Se não, como se deu essa transição?

Edie: Desde a sua inauguração, no final de 2002, a Tutatis sempre teve mangás em seu acervo.

Taís/Tonikaku: O público da loja é bem fiel. Vocês notam que as pessoas continuam lendo mangá independente da idade?

Edie: Notamos que a clientela está sempre se renovando, por vários fatores. Porém, muitos dos clientes estão conosco desde a abertura da loja, ou seja, há mais de 10 anos. Leitores que conhecemos com 10, 15 e 20 anos e que hoje estão com 20, 25 e 30, sem manifestar qualquer intenção de parar de ler ou curtir seus quadrinhos, independentemente do gênero. Temos clientes dos 7 aos 70 anos.

Taís/Tonikaku: Vocês costumam comercializar mangás nacionais? Como, na sua opinião, está o mercado para eles?

Edie: Nossa idéia sempre foi tentar disponibilizar aos clientes tudo que esteja sendo editado no Brasil na área de quadrinhos. Não fazemos qualquer restrição.  Nós compramos diretamente de editoras e distribuidoras,  Assim, tudo que elas nos oferecem, nós adquirimos.  A diferença está apenas nas quantidades, pois os títulos mais famosos naturalmente vendem mais.  A produção de mangás nacionais ainda está em fase inicial, por isso, creio que ainda vai existir uma fatia de mercado reservada para eles. apesar da grande concorrência exercida pelos japoneses e coreanos, principalmente.

Taís/Tonikaku: A idéia de abrir uma loja de quadrinhos se deu por já ser um sonho seu?

Edie: Comecei a ler e colecionar quadrinhos muito cedo, frequentando as bancas de jornais diariamente na volta da escola. Com o passar dos anos, fui percebendo uma grande dificuldade para encontrar todos os títulos que eu gostava. Isso ficou mais nítido quando eu saí de Porto Alegre em 1986 para trabalhar no interior de Santa Catarina, no Banco do Brasil. As bancas da cidade não recebiam todos os títulos. Às vezes chegava um número e o seguinte não aparecia, e isso era muito frustrante para quem acompanhava as histórias. Naquele tempo a internet estava engatinhando e não havia a facilidade de hoje para se adquirir produtos pelo correio. Foi então que começou a amadurecer a idéia de abrir uma loja especializada. Naquele tempo eu vinha frequentemente à Porto Alegre visitar parentes e amigos e aproveitava para comprar meus quadrinhos e tentar “tapar os buracos” das minhas coleções. E isto eu fazia principalmente na “Planeta Proibido”, que era uma comic shop que tinha aqui na cidade. Em 2001 eu consegui uma transferência e voltei a morar em Porto Alegre.
Coincidentemente, nesta mesma época a “Planeta Proibido” estava encerrando suas atividades. Então, não tive dúvidas: com o apoio da minha esposa Solange, que se dispôs a cuidar da loja, na metade de 2002 abrimos a Tutatis. Como era um negócio um pouco arriscado, para um público segmentado, inicialmente a loja abriu como uma revistaria comum, oferecendo, além de quadrinhos, todas as revistas “normais”, como Veja, Caras, Sci-Fi, etc. Mas isto durou apenas um pouco mais de um ano. Como a loja foi bem aceita e o público estava aumentando, passamos a trabalhar exclusivamente com quadrinhos, o que acontece até hoje. Naquela época foi formado o HQ-Club, capitaneado pela Loja Comix de São Paulo, que era uma associação informal das poucas lojas de quadrinhos existentes no Brasil, para viabilizar a publicação de alguns títulos que não teriam chances nas bancas comuns. As lojas se comprometiam a adquirir uma certa quantidade de revistas, o que permitia a algumas editoras pequenas publicar alguns títulos em pequenas tiragens, distribuídas apenas nestas lojas. Isto aconteceu por exemplo com os últimos números do Akira e do Sandman, com o Preacher, quadrinhos independentes, etc. Acho que o HQ-Club foi o primeiro passo para o aumento da quantidade de lojas especializadas no Brasil. Enfim, abrir a loja foi um sonho realizado.

Taís/Tonikaku: Gosta de ler mangá?

Edie: Meu gênero preferido são os quadrinhos europeus, principalmente de origem francesa e italiana. Mas costumo ler de tudo um pouco. De mangás, já li Akira, Lobo Solitário, Gantz, Death Note, Adolf, Las vacaciones de Jesus y Buda, Billy Bat (estes dois últimos em espanhol), entre outros.

Taís/Tonikaku: Uma coisa que eu adoro na Tutatis é que vocês sempre têm algumas edições antigas e de números atrasados, o que não acontece em outros lugares. Como vocês conseguem isso?

Edie: As bancas normais trabalham no sistema de consignação, ou seja, elas recebem “emprestadas” da distribuidora a edição do mês, que fica exposta em torno de 30 dias. Quando chega a edição posterior, a edição antiga é devolvida para a distribuidora e a banca recebe uma comissão sobre a quantidade que foi vendida. Por isso as bancas só ficam com a edição mais atual de cada título. A Tutatis não utiliza o sistema de consignação.  Nós compramos os títulos diretamente das Editoras ou Distribuidoras do centro do país.  Por este motivo, não temos como devolver o que não foi vendido.  E nem é essa a nossa intenção.  Pelo contrário, periodicamente revisamos o estoque dos títulos e fazemos pedidos de números atrasados para os fornecedores, de modo a sempre tentar manter em estoque todos os números de todas as séries. Ocorre que alguns dos títulos vão se esgotando também nas editoras e aí não é mais possível repor o nosso estoque.

Taís/Tonikaku: E a loja vai continuar por muito tempo fazendo a alegria dos fãs?

Edie: Isto vai depender exclusivamente dos fãs.  Como eu comentei anteriormente, tenho a profissão de bancário, que é a minha fonte de renda.  A loja é um hobby e um prazer que pretendo manter indefinidamente.  Embora o objetivo de todo negócio seja gerar lucro, enquanto o resultado das vendas for suficiente para cobrir todas as despesas com funcionários, impostos, manutenção, etc, a loja vai continuar. Em resumo, pode não dar lucro, mas desde que não dê prejuízo, meu gosto pelos quadrinhos é suficiente para manter a Tutatis funcionando. 

Para quem ficou afim de dar uma conferida logo abaixo tem o mapinha de localização (Avenida Assis Brasil 650, quase do ladinho do Bourbon da Assis Brasil) e você consegue mais informações nos sites da loja, que podem ser acessados nos endereços tutatis.com.br ou lojadequadrinhos.com.br.


0 comentários:

Postar um comentário

 

 

Parceiros: